Farmácia de manipulação denunciada por vender ivermectina por R$ 570

Um consumidor denunciou o aumento de mais de 865% no valor do medicamento em apenas uma semana.

A Polícia Civil e o Procon de Cuiabá realizaram fiscalização no início de Julho 2020 em uma farmácia de manipulação denunciada por vender o medicamento ivermectina por R$ 570, um aumento de mais de 865% no valor, em apenas uma semana.

De acordo com a denúncia, no dia 16 de junho a consumidora comprou 60 cápsulas do medicamento utilizado para tratamento da Covid-19, pelo valor de R$ 59.

Aproximadamente uma semana depois, no dia 23 de julho, foi repassado à consumidora pela a mesma quantidade do medicamento, o valor de R$ 570;

Inconformada com aumento do preço no curto espaço de tempo, a consumidora procurou para registrar a ocorrência. Com base nas informações, os policiais da Decon e a equipe de agentes do Procon foram até a farmácia de manipulação, onde foram atendidos pela responsável pelo estabelecimento que apresentou cópias das notas de compra da matéria prima.

Segundo a responsável, a substância vem da China e Índia e em novembro de 2019, a farmácia adquiriu um quilo do insumo utilizado na manipulação da ivermectina pelo valor de R$ 105.

Na segunda quinzena de junho deste ano, a mesma quantidade do produto foi comprada pelo valor de R$3,4 mil, um aumento de mais de 3000% no preço.

Ela informou ainda às equipes que outros medicamentos utilizados no tratamento do Covid-19, como a hidroxicloroquina, o aumento de preço da matéria-prima foi ainda maior.

Segundo o delegado da Decon, Rogério Ferreira, nos últimos dias, a imprensa tem divulgado que profissionais da saúde têm recomendado o uso do medicamento ivermectina e de hidroxicloroquina para o tratamento da Covid-19, o que tem feito a procura pelos medicamentos aumentarem bastante.

Por causa disso, a Polícia Civil e o Procon estão fazendo fiscalizações para coibir e reprimir eventuais práticas de aumentos abusivos de preços ao consumidor.

Após sofrer a ação de fiscalização, a dona da farmácia de manipulação terá um prazo para apresentar defesa formal junto ao Procon. Além disso, ela também deverá prestar depoimento à polícia. Caso a investigação constate a prática abusiva por parte do estabelecimento, será lavrado um auto de infração e o local poderá sofrer sanções administrativas.

Aumento de denúncias

Segundo o secretário-adjunto de Proteção e Defesa do Consumidor, Genilto Nogueira, em meio à pandemia, as denúncias de preços abusivos têm sido constantes. Contudo, ele garante que muitos estabelecimentos estão atuando corretamente, mesmo com muitas dificuldades, principalmente, para importação de insumos.

“Dentre várias fiscalizações, em conjunto com a Decon, fizemos ações importantes de verificar esse aumento maluco que houve do distribuidor de hidroxicloroquina, que teve um percentual de 500% de aumento para as farmácias de manipulação e da ivermectina que também teve aumento do revendedor para a farmácia de manipulação de mais de 3.200% de aumento. Quer dizer, foram aumentos abusivos nesse sentido. Vamos procurar investigar de onde eles estão comprando e o que justificou esses aumentos dos revendedores para as farmácias de manipulação”, disse ele, em entrevista publicada no portal O Bom da Notícia.

Fonte: G1- Mato Grosso e ICTQ

Atenção: este conteúdo tem a finalidade de informar acontecimentos, não há nenhum juízo de valor sobre quem quer que seja. Fiscalizações com as relatadas acima tem acontecido em diversas regiões do país.

𝐏𝐎𝐏 𝐄𝐱𝐢𝐠𝐢𝐝𝐨 𝐩𝐞𝐥𝐚 𝐀𝐍𝐕𝐈𝐒𝐀, 𝐌𝐢𝐧𝐢𝐬𝐭é𝐫𝐢𝐨 𝐝𝐚 𝐒𝐚ú𝐝𝐞, 𝐌𝐢𝐧𝐢𝐬𝐭é𝐫𝐢𝐨 𝐝𝐨 𝐓𝐫𝐚𝐛𝐚𝐥𝐡𝐨 𝐞 𝐕𝐢𝐠𝐢𝐥â𝐧𝐜𝐢𝐚𝐬.

Clique na imagem abaixo para acessar mais informações:

 

Deixe uma resposta

Contato

Descreva-nos a sua necessidade preenchendo o formulário abaixo. Responderemos seu chamado em até 24 horas.





Envio de Chamados de Suporte



FAQs: Central de Ajuda.